Na Argentina, casal de homens vai ter filho via barriga de aluguel


María Laura Dumpé é a juíza que bate o martelo favorável a um casal de homens que lutava na justiça pelo direito de ter filho via barriga de aluguel. A magistrada autoriza aos dois, que vivem juntos há 14 anos, usem uma amiga para tal.
O caso é notícia na província de Rio Negro, Argentina. A única exigência da Justiça é que a mulher não receba dinheiro. “Ela é divorciada, seus filhos sabem e a acompanham nisto”, observa a magistrada. “Tem a intenção de ajudar os seus amigos em seu projeto de vida. Negamos que haja contribuição em dinheiro.”
Por fim, a juíza define o caso como um ato de amor e de companheirismo. Sabendo que trata-se de uma decisão inédita, ela acredita que a partir de agora os caminhos se abrirão para todos os casais gays.
No entanto, o casal que festeja a decisão assim como a mulher que entra no processo como barriga de aluguel estão com a identidade protegida. Mas por que esse sigilo? Protegê-los do quê?
Lembrando que na mesma Argentina e no ano passado um casal de homens conseguiu registrar filhos gêmeos e também via barriga de aluguel. Mas o nascimento foi nos Estados Unidos. O Cartório Civil de Buenos Aires registrou os filhos do casal Daniel Tagliani e Sebastián Neeva.