Descaso no Hospital Municipal de Barueri após paciente ser sedada e na mesa de cirurgia


Foi o que aconteceu com uma paciente Rosa Lopes,em seu relato na pagina de Monica Gonzalez (https://www.facebook.com/search/top/?q=monica%20correia%20gonzalez) . 

Pela postagem a paciente Rosa Lopes ,ela já vinha fazendo um tratamento médico,que inclusive semana antes já havia elogiado o trabalho dos profissionais daquele hospital ,no trecho de sua manifestação de indignação relata que esteve no HMB, dia 11/07 para passar em retorno e agendamento de cirurgia, e que segundo a Dra. LUCILA, falou que iria fazer no dia seguinte (12) .

Pois bem ,com agendamento e cirurgia confirmada ,a paciente foi internada as 22 horas do dia 11/07.No dia seguinte conforme previsto na lista de cirurgia foi ao centro cirurgico para realizar o procedimento.

Elaborado todos os exames ,tais como,sangue,eletrocardiograma etc... 

Tomou anestesia a Ráqui (A raquianestesia, também chamada anestesia raquidiana, anestesia intratecal ou anestesia subaracnoide, é o nome dado para a anestesia decorrente da aplicação de um anestésico local no interior do espaço subaracnoideo, diretamente no líquor, levando ao bloqueio nervoso reversível das raízes anteriores e posteriores, dos gânglios das raízes posteriores e de parte da medula espinhal, resultando em perda da atividade autonômica, sensitiva e motora na parte inferior do corpo. A pessoa que recebe a raquianestesia perde a sensibilidade do umbigo para baixo, podendo ser submetida a procedimentos cirúrgicos ou outros, sem sentir dores.

A primeira raquianestesia foi realizada por Bier, em 1898.) por volta das 8 horas da manha,após sedada não viu mais nada,lembra que por volta das 13 horas já na sala de Pós Cirúrgico mais calma,por ter realizada a cirúrgica veio a decepção.

Não foi realizado a cirurgia,indignada pediu para chamar a médica Cirurgiã,que após várias alegações,não havia material,ou seja ,a paciente foi internada,feito todos exames ,sedada, e teve a frustração de não conseguir realizar sua cirurgia. 

Depois de tamanha decepção,tentou por inúmeras vezes conversar e pedir ajuda para a diretora do hospital,infelizmente até o fechamento da matéria ninguém do hospital procurou para saber o que realmente houve.

Não consegui marcar retorno, porque não tinha agenda, e estou no aguardo!! Estive ontem(19) no HMB, para realizar um simples exame de (urocultura), onde mais uma vez me decepcionei com o descaso das atendentes (totalmente despreparadas) Uma delas que me parece a "chefe" Ana; uma total falta de respeito, idosos, deficientes, aguardando há muito mais tempo que eu, quando iriam reclamar seus direitos, respondia sem nem aos menos olhar para o paciente, " tem que aguardar". Isto tudo para confeccionar uma ficha!!! quando as pessoas questionavam sem nenhuma explicação, e perguntavam onde falo com o responsável?? Da mesma forma sem nem ao menos levantar a cabeça: "SIGA A ESQUERDA DEPOIS DO ELEVADOR" 

O pior que os profissionais que realizam os exames, não tinham fichas!!! E a população esperando!! Inclusive tinha um senhor diabético, hipertenso,que foi falar com a mesma, relatando que estava marcado o exame para as 8 horas e já eram 10:30, foi com toda humildade (medo) se dirigir a mesma ( Ana),alegando que iria perder e que ele não podia ficar muito tempo sem se alimentar em virtude do problema dele, " sem levantar a cabeça:respondeu: colher exames vai até as 13 horas.(trecho de seu relato).

Vale lembrar que o hospital passou a ser administrado oficialmente no dia 19/07 pela SPDM-Associação Paulista para ao Desenvolvimento da Medicina , Para que isso fosse possível, a nova administradora e a prefeitura tiveram que se comprometer em assumir na justiça o passivo trabalhista acumulado na gestão anterior, Instituto Hygia.

Tentamos contato com departamento de comunicação do hospital pelo telefone 2575-3200 por inúmeras vezes,todas sem sucesso.