Polícia mata 2 pessoas por dia no estado de São Paulo, aponta Segurança Pública



Duas pessoas mortas por dia. Essa foi a média, no primeiro bimestre desse ano, de assassinatos praticados por policiais civis e militares no estado de São Paulo. Os números foram publicados pela Secretaria Estadual de Segurança Pública, no Diário Oficial, e incluem ocorrências tanto de agentes no trabalho quanto no período de folga.

Foram, ao todo, 137 mortes em janeiro e fevereiro. Desse total, 92 vítimas foram atingidas por policiais militares e outras 3 por policiais civis durante o trabalho. Já outras 37 foram mortas por PMs em folga e 5 por civis fora de sua jornada de trabalho. Além disso, mais 134 pessoas ficaram feridas, no mesmo período, em confrontos com policiais.

Segundo dados divulgados pelo Portal G1, a média desse primeiro bimestre segue a tendência de 2015. Durante todo o ano passado, 798 pessoas foram mortas e 711 ficaram feridas em confrontos com a polícia no Estado de São Paulo, também uma média de duas pessoas mortas e duas pessoas feridas por dia.
Os números dos mortos por policiais não são incluídos nas estatísticas de homicídio divulgadas pela secretaria. Isso acontece, segundo a pasta, porque eles fazem parte de ações classificadas como parte de “intervenção policial” e são “ações legítimas”.

Houve ainda, segundo o levantamento, a morte de um policial, nesse primeiro bimestre, durante o trabalho. O sargento da PM Júlio Cesar Zorzetti de Almeida foi baleado por um agente penitenciário no dia 20 de fevereiro, quando atuava numa ocorrência em Itirapina, interior, e não resistiu ao ferimento. O agente fazia a própria família de refém e o sargento atendia a ocorrência. Já em 2015, 16 policiais foram mortos e 66 ficaram feridos. E, este ano, 31 policiais militares e civis acabaram feridos em serviço nos dois primeiros meses.