Audax consegue permissão para jogar em Osasco pela Série A-1 do Paulista


O Osasco Audax já tem data e hora marcada para fazer seu primeiro jogo no reformado estádio José Liberatti: dia 8 de fevereiro, às 19h30, contra a Portuguesa, pela terceira rodada da Série A-1 do Campeonato Paulista. 

Envolvido em imbróglio com a Federação Paulista de Futebol (FPF), desde o ano passado, para a transferência da sede do clube de São Paulo, onde está registrado atualmente, para Osasco, o time comandado por Fernando Diniz se viu impedido de estrear no campeonato como mandante diante do Palmeiras no próximo sábado, 31, jogando em seus domínios. 


Para que isso fosse possível, o time presidido por Vampeta teria que pagar uma taxa de R$800 mil, à Federação, para mudança da sede. Sem esse dinheiro em caixa, o time esteve ameaçado de mandar todas as suas partidas no Paulistão deste ano no Pacaembu ou em qualquer outro estádio de São Paulo. Mas o que era um problema acabou se transformando em solução para a diretoria do Audax. 



Há duas semanas, os diretores da equipe se reuniram com o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre e, juntos, conseguiram convencer a FPF a alterar o jogo entre o time de Osasco e o Verdão do Pacaembu para o Allianz Parque, estádio recém-inaugurado pelo Alviverde. Conforme adiantou o Diário da Região na matéria “Audax estreia na casa do Verdão”, os dirigentes do Audax confirmaram, em nota, que esperam ter uma grande arrecadação com a venda de ingressos para a partida, o que ajudaria a pagar, ao menos, parte da taxa de transferência à Federação. 

Na última partida disputada pelo Palmeiras no local, diante do Red Bull Brasil, no domingo, 25, os poucos mais de 20 mil ingressos vendidos pelo Verdão renderam mais de R$900 mil aos cofres da equipe paulista, valor superior, portanto, a quantia que o Audax terá que desembolsar para transferir sua sede para Osasco e, consequentemente, mandar seus jogos na cidade. 

O problema é que, para jogar no Allianz Parque, o time da região também precisará pagar o aluguel do estádio. Assim, ficou decidido que a renda da próxima partida será dividida meio a meio entre Audax e Palmeiras. Ainda assim, os diretores do Grêmio Osasco garantiram à Federação que, pelo menos parte do que lhe couber das vendas de ingressos será repassada à entidade e, caso o valor obtido não corresponda ao montante cobrado, à quantia que faltar será parcelada ao longo do ano. Com o acordo, a Federação Paulista deve divulgar, em breve, a alteração da partida entre Audax e Portuguesa, no próximo dia 8, do Pacaembu para o estádio José Liberatti, no Rochdale, em Osasco. 

Por que o Audax jogou em Osasco ano passado?

Embora tenha que pagar, este ano, taxa de R$800 mil cobrada pela Federação Paulista de Futebol (FPF) para transferir sua sede para Osasco, o Audax não enfrentou, em 2014 o mesmo problema. No ano passado, o time comandado por Fernando Diniz ficou livre do pagamento e jogou normalmente as partidas do Paulistão no estádio José Liberatti. Mas isso só foi possível porque a compra da equipe feita pelo investidor Mário Teixeira, impediu que o time fechasse as portas. Por ter impedido a falência do Audax, a FPF isentou a equipe osasquense da cobrança e permitiu que, durante o ano passado, o time de Mário Teixeira mandasse seus jogos em Osasco com a promessa de que, em 2015, a taxa de transferência fosse quitada.