Mano, Marquinhos, Ibson e cobranças: a fritura de Tite no Corinthians


Antes reverenciado, Tite agora enfrenta rajadas de críticas disparadas nos bastidores até por parte da diretoria corintiana.  São atribuídas ao treinador falhas como avaliar mal o zagueiro Marquinhos, vendido para a Europa, apostar em Ibson para superar a saída de Paulinho e não perceber a decadência do time.

O óleo está tão quente que o cheiro da fritura do treinador já chegou ao vestiário. Pelo menos um jogador reclama com amigos de que a diretoria estaria interessada em desgastar a imagem de Tite para pavimentar o caminho para Mano Menezes em 2014.  Apesar de defender o técnico atual com unhas e dentes em público, o presidente Mário Gobbi, amigo de Mano, é visto como um dos interessados no retorno do treinador. Algo que o cartola sempre negou.
No vestiário corintiano já há quem dê como certo que Mano vai voltar ao Parque São Jorge para a próxima temporada. Até lá, porém, Tite parece fadado a sofrer com o fogo amigo, municiado pelo fraco desempenho de seus comandados em campo.
As críticas ao treinador começam com uma avaliação feita por ele quando o Corinthians recebeu proposta para vender Marquinhos para a Roma, em 2012. Numa reunião com a diretoria para discutir a negociação, o técnico foi a favor da saída.
A baixa estatura do jogador para a posição foi usada como argumento pelo treinador para a liberação do jovem. Dirigentes concordaram com a tese. O zagueiro saiu por 5 milhões de euros e, em agosto de 2013, foi repassado ao PSG por 35 milhões de euros.
Hoje, os críticos de Tite tratam o comentário sobre Marquinhos como um pecado mortal. O beque tem 1,83 m e é mais alto do que o zagueiro Chicão, ex-capitão do Corinthians e que foi titular com Tite.
No quesito contratações, o técnico também é malhdo por ter indicado Ibson para tentar suprir a saída de Paulinho.
"Fantasma" de Mano conturba o Corinthians
“Fantasma'' de Mano conturba o Corinthians
Outra falha de Tite apontada por seus críticos no clube, incluindo gente da diretoria, é o fato de entre um empate e outro ele não ter percebido a decadência do time campeão mundial. Ou de pelo menos não ter demonstrado publicamente isso e de não ter conseguido corrigir o rumo após cobranças da direção.
Pelo menos em quatro reuniões com a presença de Gobbi a comissão técnica foi cobrada sobre o fraco rendimento da equipe. A primeira aconteceu em março e houve questionamento a respeito de o time não correr. Tite e seus assistentes responderam que a equipe chegaria na forma ideal e brigaria pelo título brasileiro.
Em novo encontro, antes da parada para a Copa das Confederações, Gobbi ouviu que os atletas estavam desgastados, mas estariam bem no retorno ao Brasileiro. A última cobrança foi depois do empate com o Náutico no Pacaembu (já havia ocorrido uma terceira reunião no retorno aos trabalhos). Mais uma vez a diretoria recebeu promessas de que o time deslancharia.
A reação não veio, e Tite agora é cornetado por diversas vezes afirmar que a equipe vai decolar, mas sem conseguir acabar com a coleção de empates no Nacional. O sentimento é o de que ele substimou a gravidade do problema.
Conselheiros corintianos contrários ao treinador alegam ainda que ele foi campeão mundial com um time montado em sua maior parte por Mano Menezes.
De fato, Alessandro, Chicão, Paulo André, Ralf, Paulinho, Danilo e Jorge Henrique foram contratados sob a batuta de Mano. Entre os principais jogadores da equipe campeã no Japão, Tite foi o responsável pelas chegadas de Fábio Santos, Sheik e Guerrero.
O Mundial também serve de marco para a análise de cartolas sobre o comportamento do treinador. Um influente diretor do clube afirmou ao blog que o técnico ficou mais intransigente e passou a ouvir menos a direção depois da conquista.
Procurado pelo blog por meio de sua assessoria de imprensa, Tite declarou que não comentaria nenhuma das críticas. Argumentou que neste momento não está concedendo entrevistas exclusivas, por isso não poderia responder às perguntas.
A posição oficial da direção do Corinthians continua sendo de apoio a Tite e de desejar sua permanência. Porém, basta transitar pelos bastidores do clube para sentir o clima de fim de casamento. As duas partes estão insatisfeitas.