Sérgio Ribeiro contraria vereadores de Carapicuíba e defende Gil


O prefeito de Carapicuiba, Sérgio Ribeiro (PT), não encara como um problema a iniciativa do prefeito de Barueri, Gil Arantes (DEM), em criar o Cartão Barueri que limita aos moradores do município a utilização de serviços públicos como saúde e educação. Para Serjão, Gil está “exercendo um direito legítimo” e, por isso, não pretende levar essa discussão ao Cioeste (Consórcio Intermunicipal da Região Oeste) do qual é presidente.

Na última semana, os vereadores de Carapicuíba criticaram a criação do Cartão Barueri. Coube a Paulo Xavier (PSDB) liderar os parlamentares carapicuíbanos insatisfeitos com a medida. Na ocasião, Xavier afirmou que Carapicuíba sobrevive de Osasco e Barueri e que por isso, Gil Arantes estaria “fechando as portas aos vizinhos”. Questionado sobre o assunto, Sérgio Ribeiro não concordou com a opinião do tucano.

“Tenho certeza que Carapicuíba não depende de Osasco nem de Barueri, mas posso dizer que Carapicuíba ajuda e muito a construção dessas cidades”, disse ele. Segundo o petista, a criação do Cartão Barueri pode, inclusive, ajudar os demais municípios da região. “Ouço muito que Barueri tem 20 mil alunos de Carapicuíba matriculados em sua rede pública, mas eu não acredito nisso. Pode ser que isso prove que nós estamos errados. Esse cadastro vai nos ajudar a saber a verdade”, opinou.

Eleito o primeiro presidente do Cioeste, Serjão também não vê motivos para levar o assunto para discussão no Consórcio. “Não creio que deva [conversar com Gil Arantes]. Essa é uma questão interna do município. Barueri paga por ser uma grande cidade”, afirma.

“Defensor” do Cartão Barueri, Sérgio Ribeiro aproveitou ainda para desdenhar daqueles que criticam a situação atual dos equipamentos de saúde de Carapicuíba. “Muitos moradores de Barueri são atendidos nos hospitais de Carapicuíba até porque Barueri só tem hospital há cinco anos. Lógico que nosso sistema de atendimento básico, até por conta da carência financeira do município, não se compara com o atendimento básico que é praticado em Barueri, mas na saúde de alta complexidade não ficamos devendo em nada a Barueri”, finalizou.