Cidades da região fixam parcerias com estado para habitações


Prefeitos de cinco cidades da região tiveram a oportunidade de apresentar seus projetos diretamente ao secretário de Estado de Habitação Silvio Torres, na manhã de ontem, durante reunião realizada na prefeitura de Jandira. Estavam presentes os prefeitos Elvis Cezar (Santana de Parnaíba), Gil Arantes (Barueri), Gregório Maglio (Pirapora do Bom Jesus) e Jaci Tadeu (Itapevi), recepcionados pelo anfitrião Geraldo Teotônio, o Gê. 

De acordo com o secretário, foi possível levar todas as políticas de habitação oferecidas pelo governo do estado, em especial, da Casa Paulista, criada como uma agência de fomento que busca trazer a iniciativa privada para investir em moradias populares. 

De acordo com Torres, de uma forma geral, os municípios da Região Oesta da Grande São Paulo possuem as mesmas demandas. No entanto, um dos maiores empecilhos é a escassez e o preço elevado de terrenos. “A região é muito carente.

 Algumas famílias estão em áreas de risco, existe necessidade de criação de moradias e de regularização de áreas. Então, todos esses projetos estão à disposição. A CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano) sempre foi uma parceria com as prefeituras, mas ainda assim não conseguiria atender o déficit habitacional”, explica Torres. 

A ocasião também foi marcada pela adesão de Jandira ao projeto Casa Paulista. O prefeito Gê comemorou a medida e destacou outras ações no setor já adotadas pelo município. Entre elas, o Cidade Legal, que visa a regularização de lotes na cidade, além do Banco do Povo, cujo objetivo é disponibilizar empréstimos para moradores de conjuntos habitacionais para reformas de casas ou apartamento. 

Por outro lado, também foi anunciada a implantação de um projeto habitacional de Jandira para construção de 416 apartamentos, fruto da parceria com governo estadual e federal, este por sua vez, entra por meio do “Minha Casa Minha Vida”. “Sei que essas 416 unidades vão atender às famílias que estão há mais de 10 anos esperando a oportunidade de ter sua casa própria. Tem pessoas que recebem Aluguel Social há sete ou oito anos, e a prefeitura paga porque essas pessoas estavam em área de risco e foram desapropriadas. 

Quer dizer, resolver a demanda da cidade não é de agora, são coisas paradas há mais de 10 anos”, explica o prefeito. 

Embora os demais projetos habitacionais dos municípios presentes não tenham sido divulgados porque estão em fase de estudos, o prefeito Gê, que acompanhou todas as negociações, garantiu que todos os prefeitos saíram otimistas da reunião.

 “Percebi claramente que eles saíram satisfeitos porque apresentaram suas solicitações e encontraram um canal para resolver os problemas de seus municípios, seja na questão habitacional ou do CDHU, do Banco do Povo ou da Cidade Legal”, encerrou.