Barueri aprova convênio com Sabesp, mas critica companhia no município


Na semana passada, Barueri anunciou que iniciará uma nova fase na parceria com a Sabesp para ampliar coleta, tratamento e distribuição de esgoto no município.

 No entanto, alguns vereadores deixaram claro que não depositam total confiança na companhia, visto que, na concepção deles, ela teria deixado a desejar no passado. 

A discussão ocorreu na Câmara Municipal durante a sessão de terça-feira, 25, para aprovação do plano municipal que autoriza a prefeitura a celebrar o convênio com a empresa.

O debate começou a ficar acalorado quando o vereador Toninho Furlan (PMDB) questionou a renovação do contrato, que seria em 30 anos. 


Nesse ponto, a renovação poderá ser automática, sem necessidade de uma nova consulta da Câmara Municipal. 

“Isso deixa a Camara meio refém, de fora. Acho que deveria haver um consenso do chefe do Executivo para colocar para dar oportunidade ao Legislativo participar do projeto. Afinal, fazemos parte da administração”, indignou-se o peemedebista.

Por sua vez, Miguel de Lima (PDT) refutou as declarações de Toninho ao relembrar que a Câmara já havia aprovado o item que permite a prefeitura renovar o convênio sem necessidade de passar pelos vereadores justamente para dar maior agilidade no processo. 


Mas a partir daí, a discussão foi focada nas declarações de insatisfação com a Sabesp.

“Faltava investimento no Parque Ecológico do Tietê, esse investimento era pra ser feito anos atrás, e nunca vi a Sabesp ganhar tanto dinheiro como ganhavam. Chegou a hora da empresa dar o retorno. 


Barueri está dando esse contrato de mãos beijadas”, alfinetou Bidu (PSDB) sobre o decreto assinado pelo governador Geraldo Alckmin que permite o município a utilizar gratuitamente o núcleo oeste do Tamboré do Parque Ecológico do Tietê.

Por outro lado, Zé Baiano (PMDB) preferiu jogar a toalha e demonstrou total descrença na companhia.

Sem economizar no verbo, ele lembrou que a antiga administração teve que arcar com boa parte dos custos de obras no Parque Viana, e reclamou do papel da empresa.


 “Em se tratando de Sabesp, não acredito em mais nada, já participei de muitas reuniões, eram só mentiras, e agora não acredito mais”, criticou.

Para esse novo contrato, Toninho Furlan frisou a necessidade de fiscalização aos serviços da Sabesp, e encerrou em tom irônico. “Não acredito na Sabesp, Papai Noel não existe”, disse incrédulo.