Moradores de outras cidades superlotam hospitais de Barueri


Mais de um milhão de pacientes estão cadastrados somente no pronto socorro do Hospital Municipal 

A falta de atendimento nos hospitais das cidades que compõe a região Oeste da Grande São Paulo tem causado dificuldades aos moradores de Barueri. A vizinhança procura atendimento médico no município, que recebe pacientes de outras localidades, causando superlotação principalmente nos prontos socorros municipais.

Mesmo investindo aproximadamente R$450 milhões na área da saúde - o equivalente a 25% do orçamento municipal e 10% a mais que o exigido por lei – as unidades de saúde de Barueri têm sofrido com a superlotação justamente pela boa estrutura oferecida. Aliado a isso, a ineficiência das cidades do entorno faz com que a procura aumente ainda mais.
Mais de um milhão de pacientes estão cadastrados somente no pronto socorro do Hospital Municipal de Barueri, quatro vezes a população da cidade, estimada em 243 mil habitantes, de acordo com o último Censo do IBGE. 
A situação ganhou repercussão na Grande São Paulo, após reportagem do SPTV mostrar a realidade em Barueri. Segundo dados da Secretaria da Saúde, atualmente 146 médicos trabalham no pronto socorro do Hospital Municipal, o que seria suficiente para atender a população local, mas que se torna insuficiente com a migração de pacientes de outros municípios. 
“Aqui no pronto-socorro central o forte mesmo é [paciente] de Carapicuíba. A gente chega atender 50% de demanda que não é local”, relata Eduardo Menezes, secretário adjunto da Saúde. Estima-se que com a atual demanda o Hospital Central necessita de mais 38 médicos. Atualmente, a cidade já gasta, por dia, R$ 25 mil reais pra atender pacientes que não moram em Barueri.