Furlan usou Educação para eleger a filha, diz doutor Jaques Munhoz


À frente da Secretaria da Educação, o doutor Jaques Munhoz (PTB), vice-prefeito de Barueri, frisa a falta de planejamento da gestão anterior no setor. Segundo ele, diversas secretarias foram usadas com fins políticos e eleitorais pelo grupo do ex-prefeito Rubens Furlan (PMDB), inclusive a Educação.

Jaques ressalta que, no caso de sua pasta, havia um verdadeiro “caos”, e um dos artifícios da antiga administração era a distribuição de vagas para alunos de fora de Barueri e, com isso, tentar favorecer a eleição filha do ex-prefeito, Bruna Furlan (PSDB), para deputada federal.

O secretário calcula que de todas as escolas do município, pelo menos 35% dos estudantes são das cidades vizinhas, como Carapicuíba, Jandira e Itapevi. “O problema gravíssimo foi o uso político da Educação, ou seja, atendimento de pessoas de fora da nossa cidade, e a lei privilegia aqueles que são do bairro, então, não estamos matriculando ninguém de fora [da cidade] desde janeiro para dar a vaga ao aluno de Barueri”, avisa Jaques.

Para reverter esse quadro, o petebista enfatiza que o governo de Gil Arantes (DEM) vai implementar um projeto de resgate do professor. O objetivo é fornecer capacitação de primeira linha, “para que esses professores se sintam estimulados a trabalhar”.

O secretário e também vice-prefeito fala sobre a necessidade de se apostar em novas iniciativas e parcerias, e cita um novo projeto de leitura. “A Melhoramentos ganhou essa licitação e vai implantar um projeto com capacitação para 30 professores, não é só dar o livro”, revela.

Jaques também critica o atraso da entrega dos kit escolares, causados pela gestão de Rubens Furlan, que não aprovou a licitação a tempo. “Fizemos apostilas em caráter de urgência no primeiro bimestre. Estamos fazendo um projeto que está em licitação para reinstituir o sistema pedagógico em Barueri, uma metodologia de ensino para a cidade inteira para não ter discrepância e uma escola se sair melhor do que a outra”, finaliza.