Repórter do Diário é agredido na convenção do PMDB de Barueri





O evento, realizado no domingo, 17, para oficializar a coligação “Barueri a caminho do bem”, de apoio à candidatura a prefeito de Carlos Zicardi, terminou na delegacia. O fotógrafo levou um murro nas costelas e o chip de sua máquina foi roubado por MILITANTES.



A equipe do Diário da Região vivenciou, no domingo, cena típica da fase mais truculenta da ditadura, um período negro da história política do Brasil. O repórter-fotográfico do jornal teve sua máquina levada e o chip roubado depois de agredido fisicamente e ameaçado psicologicamente por alguns homens que participavam da Convenção do PMDB em Barueri. O MDB, partido que deu origem ao atual PMDB, foi um ferrenho combatente dos “anos de chumbo’.

A convenção foi realizada para oficializar a coligação “Barueri a caminho do bem” (PMDB, PSDB, PV, PCdoB, PTdoB, PHS, PSC e PPL) em prol da pré-candidatura a prefeito de Carlos Zicardi. Ele é o escolhido do prefeito Rubens Furlan para disputar a sucessão municipal.

A agressão começou após a queda de parte do palco armado no ginásio José Correa. O profissional do Diário começou a fotografar o acidente quando foi cercado por três homens que tomaram à força sua máquina e dela arrancaram o cartão de memória com as fotos. No início, quando ele se negou a entregar a máquina, levou um soco. O caso foi registrado na delegacia de polícia de Barueri, através do Boletim de Ocorrência n° 3378.

Na hora da queda estavam no palco Carlos Zicardi, a candidata a vice em sua chapa, Cilene Bittencourt (PSC), o prefeito Rubens Furlan (PMDB) e a deputada federal Bruna Furlan (PSDB). Outras dezenas de pessoas também caíram e pelo menos duas se machucaram com maior gravidade.

A convenção acabou por volta das 12 horas a tempo de registrar um outro episódio: o “desmaio” do prefeito Rubens Furlan logo após acusar a oposição de não lhe dar trégua. Segundo Zicardi, o prefeito Furlan “não anda bem do estômago” devido a nervosismo excessivo. “Não queríamos falar sobre isso, mas nós temos recebido muitas ofensas, muitas calúnias”, disse sem citar nomes. Uma ambulância foi chamada para levar o prefeito a um hospital de São Paulo, diferente dos demais feridos que foram para o Pronto Socorro.

Durante todo o dia de ontem, no diretório municipal do PMDB ninguém quis atender a reportagem e mesmo o presidente local do partido também não foi localizado.

Reportagens com fatos reais

Recentemente, o Diário da Região, publicou algumas matérias sobre o prefeito Rubens Furlan (PMDB), dentre elas a de que ele é o único prefeito Ficha Suja da região. O levantamento foi feito junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo. Atualmente, Furlan exerce seu quarto mandato em Barueri e está enquadrado na Lei por improbidade administrativa devido à contratação sem concurso público que levou à sua condenação em 1ª e 2ª instâncias, ou seja, o caso foi julgado no Fórum de Barueri e também no Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Além de Rubens Furlan, a pesquisa no TJ também analisou a situação de outros prefeitos, dentre eles Emídio de Souza (Osasco), Ruth Banholzer (Itapevi), Sergio Ribeiro (Carapicuíba), Carlão Camargo (Cotia) Anabel Sabatine (Jandira), Silvinho Peccioli (Santana de Parnaíba) e José Carlos Alves, o Bananinha (Pirapora do Bom Jesus).

Outra reportagem também baseada em fatos verdadeiros foi a do bloqueio dos bens do prefeito Rubens Furlan pela Justiça de Barueri que concedeu, na época, liminar à Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público pedindo o bloqueio dos bens de Furlan e das empresas Meteoro Entretenimento, Fernando Pena Produções Artísticas e TCA Produções e Eventos. O Ministério Público pede a devolução de mais de R$ 4,3 milhões aos cofres públicos e Furlan pode ter direitos políticos suspensos mais uma vez. Ele e as três empresas são suspeitos de superfaturar shows contratados pela prefeitura. Um deles, o de Cláudia Leite.