Câmara de Parnaíba decide se cassa vereador na segunda





Cadastramento só era permitido mediante a apresentação do Título de Eleitor
Simone Trino

O destino político do vereador Elvis Cezar (PSDB), de Santana de Parnaíba, será decidido na próxima segunda-feira, 7, durante votação do relatório final da CEI (Comissão Especial de Investigação), que apura a suposta compra de votos pelo vereador.
A CEI concluiu o relatório na semana passada, após adiar de segunda para terça-feira o prazo final para que o vereador apresentasse suas considerações finais. De acordo com o relator da comissão, Carlos Fernando Siqueira Rosin (DEM), o Caíga, o vereador não se manifestou.
Caíga disse que a comissão cumpriu à risca o que prevê o Regimento Interno. “Como essa é a primeira vez que instalamos uma CEI acompanhamos passo a passo o regimento”, diz. O relator explica que o grupo fez um cronograma de trabalhos para atender aos prazos. “Abrimos uma exceção, que foi aceita a primeira defesa do vereador com atraso”, explica.
Agora tudo está nas mãos do Legislativo. Dependendo do resultado do relatório da comissão, que será levado a discussão na Câmara, poderá ser pedida a cassação do mandato de Elvis Cezar. O caso será o primeiro na história da cidade.
De acordo com Caíga, todos os vereadores foram convocados para a sessão extraordinária. “Todos, inclusive o vereador acusado, foram convocados na tarde dessa quinta-feira,3”, diz.
A denúncia
A CEI para apurar as denúncias contra Elvis foi instalada na primeira sessão ordinária do ano após denúncia apresentada pelo morador Rogério Vagner Rezende, do Parque Santana II. A denúncia de Rogério se baseou na reportagem veiculada na TV Record, mostrando assessores do vereador fazendo o cadastramento de moradores para posterior entrega de brinquedos de Natal às crianças. 
O vereador é acusado por compra de votos, porque o cadastramento só era permitido mediante a apresentação do Título de Eleitor e comprovação de que os pais da criança eram eleitores da cidade, uma vez que teriam de apresentar também os comprovantes de endereço. 
À época, a denúncia foi colocada em votação e foram oito votos favoráveis a instalação da CEI, com 90 dias para realizar os trabalhos.

“A decisão está nas mãos da Justiça”
O vereador Elvis Cezar (PSDB), alvo da CEI (Comissão Especial de Inquérito), disse ter sido surpreendido pela imprensa sobre a conclusão do relatório da comissão na Câmara. “Não fui avisado que a comissão terminou os trabalhos ou que na segunda-feira vão discuti-lo no Legislativo”, disse.
Para ele, a comissão é lícita. “Toda CEI tem o rito e os procedimentos que são ditados pelo Regimento Interno. Não há violação maior do Regimento do que essa CEI. A lei me confere a prerrogativa de ser avisado de todos os passos da comissão, o que não ocorreu”, alega.
Elvis reforça que a “decisão ficará nas mãos da Justiça. Já que os trabalhos na Câmara são comandados pelo Poder Executivo. O prefeito manda e manipula a Câmara”, acusa. 
De acordo com Elvis, não há nenhuma prova contra ele. “O vídeo da reportagem foi fraudado. As testemunhas ouvidas pela comissão estão ligadas à prefeitura”, diz. Ele classifica o trabalho da comissão como vil e sem precedentes para dar a sua sentença: “Eu vou sair dessa situação”.
O vereador diz ainda que tem recebido muito apoio do povo e os eleitores sabem que na Câmara as cartas são marcadas. “Sou o vereador mais jovem, com 35 anos. Caso ocorra a cassação, vão acabar com a minha carreira política, mas tudo será desmascarado.”