VEREADOR JOSUÉ PEREIRA SILVA -JO,ACHA UMA FRAUDE A PERCA DA PRESIDÊNCIA DO "PTB"


“Se tiraram o partido da minha responsabilidade, se me tiraram a presidência da sigla, então me expulsaram do PTB” 

    

Ele está em seu segundo mandato como vereador e é o presidente da Câmara Municipal. Também é presidente da Comissão Permanente Obras, Serviços Públicos e Outras Atividades e relator da Comissão Permanente Finanças e Orçamento. Nesta entrevista ao Diário da Região, o vereador Josué Pereira Silva, conhecido como vereador Jô, fala sobre sua possível saída do PTB, partido o qual era o presidente da direção provisória na cidade até o início de agosto deste ano. No dia 10 do mesmo mês, o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) divulgou que o vereador Francisco dos Reis Vilela, o Chico Vilela (PTB), é quem ocuparia a presidência provisória do diretório. Além disso, Jô questiona a posição da sigla em mantê-lo como membro da executiva mesmo após ter deixado a presidência.

O senhor deixou recentemente a presidência do diretório municipal do PTB em Barueri. O que tem sido comentado é que isso aconteceu porque o senhor não concorda com o apoio que o partido quer dar à candidatura do deputado estadual Gil Arantes (DEM) a prefeito em 2012. Como o senhor interpreta a sua saída da presidência?
É uma coisa que eu também não consigo entender. Inclusive pedi até uma justificativa ao partido o por que me tiraram da presidência sendo que eu não fiz nada de errado para perder a presidência. Se ela foi concedida a mim acho que eles tinham que confiar. Não tem uma justificativa. Ninguém falou o porquê tiraram a presidência de mim. E o pior de tudo, e que ficamos mais chateados ainda, é que eles mantiveram o meu nome na provisória do partido sem que tivesse assinado qualquer documento. Em minha opinião isso daí é uma fraude. Foi feito uma provisória fraudulenta porque eu não assinei nenhum documento e mantiveram o meu nome na provisória.

Então agora o senhor continua na provisória?
Eu assumi a provisória como presidente, e agora eles tiraram a minha presidência e me manteve na provisória como membro do partido fazendo parte da executiva. E como fazer parte da executiva se eu não assinei nenhum documento? Pra mim colocaram isso para não dizer que estavam me perseguindo. Fizeram tudo errado. Ficam aqui os meus protestos. Estou chateado com o PTB. É um partido que eu gosto e respeito. Também respeito muito o deputado estadual Campos Machado, que é o presidente estadual do partido. Mas vamos esperar até dia 30 de setembro quando vamos tomar algumas decisões e eu vou ver o que Deus prepara pra mim.

O senhor pretende sair do partido?
Se manter como está, e pelo o que estamos vendo vai manter, só vou pedir para eles tirarem o meu nome da executiva. Temos que jogar limpo. Se estão tirando o partido da minha mão e tiraram a presidência da minha mão, então me expulsa do partido, assim pelo menos saiu de cabeça erguida e vou para o partido que eu quiser.

Já foi procurado por alguma sigla?
Já fui procurado por vários partidos, mas vou esperar mais algumas decisões. Vou conversar com os meus advogados, com meu líder maior, o Rubens Furlan (PMDB), para ver qual é o caminho novo que nós vamos tomar, escolher um partido onde eu tenha condições de estar disputando de igual para igual com os demais e se Deus me abençoar ganhar a eleição.

Caso o senhor saia do PTB e vá para outro partido, como ficaria a questão da fidelidade partidária?
A fidelidade partidária vai com um julgamento jurídico. Vou ter que me defender se eles realmente pedirem a cadeira e vou fazer minha parte. Não vou poder ficar, mesmo porque estou defendendo outra bandeira, não cuspo no prato que eu como. Tenho que permanecer ao lado da pessoa que me ajudou muito que é o prefeito Furlan e o vice-prefeito [Carlos] Zicardi (PMDB). Eu já estive conversando com o Furlan e ele falou que não é para eu me preocupar, mesmo porque ele vai fazer de tudo para me defender e se eu perder a cadeira ele falou que não vai me deixar isolado, vai me ajudar da melhor maneira possível para que eu possa disputar as eleições com condições de ganhar como vereador.

Essa situação referente ao PTB em Barueri acaba influenciando no clima dentro da Câmara?
É ruim porque o vereador Chico Vilela, uma pessoa que eu respeito muito. Ele está tomando algumas decisões e caminhos que não é da índole dele. Está fazendo coisas que realmente não é da pessoa dele. Então fica um negócio meio chato. Mas não tem problema, acho que se amanhã ou depois eu perder a cadeira vou sair com a cabeça erguida e disputo a eleição por outro partido. Tenho certeza que tenho forças para dar a volta por cima e voltar para o legislativo. Não é a perda da cadeira que vai fazer com que eu desanime ou fique desgostoso com a vida pública.

Essa situação causou algum racha dentro do partido?
As pessoas que estavam filiadas, os pré-candidatos, e o pessoal da executiva todos saíram, muitos estão filiados em outros partidos. O pessoal está correndo para outros partidos e realmente vão largar a sigla PTB. Eu só espero que ele [Chico Vilela] tenha competência e condições de estar montando um partido com candidatos à altura para defender a sigla na cidade e ele se reeleger. Mas ele é uma pessoa inteligente, um vereador que está em seu terceiro mandato, que realmente trabalha e vai ganhar a eleição também. Agora quanto a mim só tenho a dizer que até 30 de setembro vamos definir o destino e caminho que vamos tomar.

O senhor se sente isolado agora que o PTB resolveu apoiar o deputado Gil Arantes?
Negativo. Jamais me sinto isolado. A verdade é uma só: o partido me abandonou. Mas eu continuo no grupo do prefeito Furlan. Ele me chamou, conversou comigo e eu tive muito apoio. E depois que eu tive uma conversa com ele dormi mais tranqüilo. Ele prometeu que não vai me deixar na mão e vai me ajudar no que estiver ao seu alcance porque além de eu ser um vereador competente sou uma pessoa por quem eles têm um carinho muito grande. Não me senti isolado em nenhum momento.

Os partidos que têm procurado o senhor são da minha linha do PTB, com a ideologia partidária semelhante?
Com certeza. Até partido da oposição me procurou, e o partido da situação também me procurou. Mas temos que fazer as coisas com o pé no chão, definir certinho e procurar não tomar decisões precipitadas para que não afetar nem prejudicar algum parceiro nosso dentro da Casa.



por
Graciela Zabotto
(gracielazabotto@webdiario.com.br)