Ex presidente da Acib é afastado



Valdir Sifuentes ex-presidente

A Associação Comercial e Industrial de Barueri (Acib) vive um período conturbado. O presidente eleito, Valdir Sifuentes, foi afastado por determinação da diretoria executiva. Em seguida, ele renunciou ao cargo e desfiliou sua empresa da entidade. Por conta disso, a direção da Acib passou às mãos do vice-presidente, Clemens Fein, que permanecerá no cargo até o final do mandato.
Um comunicado da diretoria executiva, feito em 11 de agosto, indicava a adoção de uma série de medidas em relação a ex-presidência, para inibir que recursos da entidade fossem usados para finalidades políticas e pessoais.
A adoção das medidas ocorreu por recomendação do conselho fiscal e administrativo da Acib, preocupados com o comprometimento das reservas de caixa que seriam destinadas à construção de sede própria, uma vez que a atual localizada na região central é alugada.
Entre os problemas administrativos gerados pela ex-presidência, de acordo com o comunicado, estariam a ausência de convocação das reuniões de diretoria, além do excesso de almoços, despesas pessoais e outras a serem explicadas e que foram debitadas do cartão corporativo do então presidente.
Procurado, o ex-presidente não atendeu a reportagem da Folha de Alphaville para explicar as denúncias. Ele foi afastado de suas funções frente à entidade e, em seguida, renunciou ao cargo. Agora, a entidade é presidida pelo empresário Clemens Fein, que ocupava o posto de 1º vice-presidente. Clemens disse que permanecerá na direção da entidade até o final do mandato. “Teremos eleições em setembro”, disse.
O empresário, que prefere não falar sobre as denúncias da antiga administração, adianta que irá cumprir o que foi acordado quando da eleição. “O grupo de direção tem consciência da importância da entidade, que deve funcionar como referência para os empresários e comerciantes de Barueri. O nosso trabalho será focado nos empresários e nos associados”, diz.

Denúncias
De acordo com a contabilidade apurada pela diretoria executiva, em janeiro de 2010, a Acib tinha saldo em caixa de R$ 1.917 milhão, reduzido a R$ 1.4 milhão em 31 de julho de 2011. “As receitas cresceram 14% no biênio 2009/2010, enquanto as despesas cresceram no mesmo período 90%”, alerta o comunicado.
Além dos gastos excessivos, outra constatação refere-se ao número de associados divulgados, de 1.750 membros, muito acima dos 1.193 boletos emitidos pela administração. A resolução divulgada no início do mês propõe também anular os contratos assinados somente pelo presidente da Acib, que teria utilizado verba institucional para promoção pessoal, política e partidária.
Todas as propostas, expostas no relatório da diretoria executiva, serão discutidas pela diretoria, que assumiu a entidade.