Goleiro e Macarrão se calam sobre agressão a Eliza Samudio


bruno-depoe-hg


Mais uma vez, o ex-goleiro Bruno Fernandes e seu amigo Luiz Henrique Romão, o "Macarrão", se calaram perante a Justiça. Eles são acusados pelo sumiço e suposta morte da modelo Eliza Samudio. A dupla deixou a Penitenciária Nelson Hungria às 14h desta quinta-feria (22) e seguiu até a Delegacia de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.

Os acusados deveriam responder a uma série de questões encaminhadas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. No entanto, sem advogados de defesa, eles optaram pelo silêncio e nada disseram ao delegado João Evangelista da Silva.
As questões, segundo informou o delegado, encaminhadas via carta precatória pela delegada Silvana Braga, da Delegacia de Mulheres de Jacarepaguá, pretendiam esclarecer a identidade de um terceiro homem que teria participado de um episódio ocorrido em outubro de 2009.

Naquela época, Eliza Samudio, que estava grávida do atleta, denunciou Bruno por lesão corporal, sequestro e cárcere privado. Embora já condenados a uma pena de quatro anos e seis meses pela Justiça carioca, a delegada enviou as questões na tentativa de descobrir quem seria este terceiro homem.

Bruno e Macarrão ficaram pouco mais de duas horas na delegacia a portas fechadas. Segundo o delegado, havia duas questões principais, que, se respondidas, se desdobrariam em outras.
- Eles decidiram ficar calados.
O delegado avalia um novo interrogatório com a presença dos advogados da dupla.