Caminhões terão restrição em Barueri




A Prefeitura de Barueri decidiu restringir a circulação de caminhões no horário de rush do período da tarde. Os caminhões ficarão impedidos de circular entre 17 e 20 horas, de segunda a sexta-feira, nas alamedas Araguaia, Purus, Mamoré, Rio Negro, Piracema e Aruanã.
A medida entra em vigor no dia 17 de outubro, de acordo com uma reunião realizada pela prefeitura, por intermédio das secretarias de Assuntos de Segurança, de Comércio e os Consegs (Conselho de Segurança) de Al­phaville e Tamboré no início desta semana. “A restrição valerá em outubro, porque demos um prazo para a adequação das empresas. Não acreditamos que a medida cause problemas, já que dependerá apenas de readequação de horários”, disse o secretário de Assuntos de Segurança, Edson Santos, responsável pelo Demutran (Departamento Municipal de Trânsito).
De acordo com ele, a restrição foi definida para melhorar a fluidez do tráfego, principalmente no horário de saída das empresas. “Faremos uma experiência para avaliar o impacto na fluidez do trânsito. A restrição começa em outubro e se estende até o final do ano”, adiantou.
A restrição na circulação de caminhões já havia sido anunciada pela prefeitura no primeiro semestre, mas foi adiada após a implantação dos semáforos e adequação da malha viária, com expansão de vias, retirada de lombadas, entre outras medidas para aumentar a fluidez.
Um levantamento realizado pelo Demutran mostra que mais de 2,8 mil caminhões circulam por Alphaville e Tamboré nos horários de pico. Como os caminhões chegam a ocupar espaço onde caberiam cinco veículos, a tendência é que os motoristas deixem de enfrentar tantos congestionamentos nas saídas dos bairros.
Nos próximos dias, a prefeitura inicia a colocação de faixas em vários pontos dos bairros, para indicar a restrição aos motoristas. Por enquanto, a prefeitura não informou se haverá multa para aqueles que descumprirem à medida.
O secretário informou ainda que outras ações serão adotadas até o final de ano. Uma delas prevê a expansão da Zona Azul, que hoje funciona em um trecho da alameda Madeira, para outras alamedas de Alphaville e Tamboré. “Temos um estudo pronto sobre a expansão da Zona Azul. A intenção é favorecer os locais onde haja concentração de serviços - como agências bancárias e comércio -, além de escolas, postos de atendimento médico. Ou seja, que justifique a rotatividade dos estacionamentos”, diz.
A prefeitura contratou uma empresa especializada em trânsito, que está fazendo um levantamento sobre os pontos críticos de toda a cidade. A empresa apresentará várias alternativas, as quais serão avaliadas pela administração e colocadas em prática. A administração também construirá um novo acesso à Castello Branco, para o qual depende da autorização da Artesp.